No fim o que resta é incompreensão

Antônio chegou pela noite depois de duas horas no ensandecido trânsito de São Paulo, seus dedos procuraram a maçaneta e depois um espaço no sofá. Tinha se tornado um hábito, deixar descansar por alguns minutos sobre aquele sofá velho e confortável e, por um instante, aproveitar o silêncio e a monotonia, assim podia tentar, mesmo …

Continue lendo No fim o que resta é incompreensão