No fim o que resta é incompreensão

Antônio chegou pela noite depois de duas horas no ensandecido trânsito de São Paulo, seus dedos procuraram a maçaneta e depois um espaço no sofá. Tinha se tornado um hábito, deixar descansar por alguns minutos sobre aquele sofá velho e confortável e, por um instante, aproveitar o silêncio e a monotonia, assim podia tentar, mesmo …

Continue lendo No fim o que resta é incompreensão

Desalento

Se tornou uma rotina incômoda acordar antes das sete horas, embora o costume não a abandonasse, mas este era mais que um dia comum, não contara a ninguém, pois era tomada por um medo incontrolável de ser julgada, embora tivesse honrarias suficientes para que ninguém duvidasse de sua índole. Ela olhou ao redor, e o …

Continue lendo Desalento